30 janeiro 2008

Novas Soluções, Novos Resultados

Na postagem passada falei sobre a formação de problemas. Diversas situações problemáticas surgem justamente quando algumas soluções encontradas não produzem o efeito desejado. Isto é, a própria solução torna-se o problema. O que antes poderia ser apenas uma dificuldade, na utilização do mesmo remédio, torna-se um verdadeiro problema. Diversos exemplos estão relatados na postagem anterior.

A gagueira também é originada de uma dificuldade. Muitas crianças apresentam disfluências normais (alguns pesquisadores chamam também de disfluência fisiológica) em suas falas, em razão de vivenciarem um período de desenvolvendo desta habilidade. Muitas conseguem sozinhas o amadurecimento necessário ao automatismo da fala. Não vivenciaram gagueira, propriamente dita, mas um período de disfluência, comum a muitas.

Em muitas outras situações, o que se observa é que disfluências normais à fala não são aceitas pelo meio social da criança. Pais, familiares, colegas, professores, amigos não aceitam a fala disfluente, rotulam como gagueira, entendem-na como algo indesejado, a criança termina por ser estigmatizada. De acordo com Friedman (2002), "a não aceitação da forma de falar tem sido vista como um dado real".

Comunicações verbais do tipo "fale direito, fale devagar, acalme-se e/ou pense antes de falar" foram vivenciadas tanto por pais como por pacientes adultos a respeito de sua fala na infância, afirma a pesquisadora. É o que ela nomeia de "Ideologia do Bem Falar", o entendimento popular de só aceitar os momentos fluentes de fala, os disfluentes são alvos de "correção". Porém, todos, inclusive as crianças, sabem falar, mas não sabem como o faz. Logo, de nada ajudará objetivamente, na superação daquela dificuldade, os conselhos ditos acima. Ao contrário, levará a criança a ter a atenção e a consciência* voltadas para a fala, dificultando na espontaneidade e automatização que a fala exige. Além disso, constantemente, a criança dentro desta situação, ela pode vê-se punida (tendo em vista não saber como fazer para superar e atender aos pedidos externos) e sentir-se culpada pela sua forma de falar (FRIEDMAN, 2002). É interessante observar que o meio é tendencioso a cada vez mais (pais e professores mal orientados) aumentar a dose do remédio ou imitar e fazer chacotas (coleguinhas inocentes) diante de repetições, bloqueios, hesitações e prolongamentos, aumentando também a atenção da criança para sua fala negada.

Diante deste cenário, o que era disfluência torna-se gagueira. O que era uma dificuldade, torna-se um problema. É como afirmam
Watzlawick et al (1977), "em certas circunstâncias surgirão problemas meramente em consequência de tentativas errôneas de alterar uma dificuldade existente".

Além das tentativas de solucionar o problema, mencionada pelos outros significativos, diversas outras soluções também serão elaboradas pelo próprio sujeito com gagueira, na intenção de falar bem ou não gaguejar: planejar o discurso, encontrar e substituir palavras difíceis por fáceis, julgar situações/pessoas fáceis ou difíceis para falar, introdução de palavras desnecessárias (é, então...), esforços associados, fechar os olhos ou desviar o olhar, entre outros tantos. Cada pessoa pode apresentar um específico, mas é interessante como as soluções são praticamente as mesmas em diversos países.

É interessante salientar que a literatura está repleta de relatos de pessoas que afirmaram falar fluentemente em diversas situações, as quais não estavam "se lembrando" da gagueira, que eram gagos, que não pensaram nas soluções outrora tentadas. Portanto, esses rituais para tentar falar bem devem ser percebidos como parte da própria gagueira.

Portanto, todas essas soluções citadas acima não possuem alcançaram o que almejavam. São necessárias outras intervenções. É importante perceber que a gagueira não deve ser o alvo a ser eliminado, pois quando esquecemos das soluções, da gagueira, quando não nos sentimos julgados, pressionados para falar bem, não gaguejamos. Uma pequena solução que sugiro, baseado em Friedman (In Lopes, 1997) é irmos de encontro a tudo que nos foi "ensinado":
- Aprendemos que é proibido gaguejar --> Devemos perceber que gaguejar é normal, natural;
- Percebemos que os outros não aceitavam nossa fala --> Devemos perceber até que ponto estamos vítimas dessa ideologia. Entender a gagueira como um momento da fala e da emoção e aceitá-la rompe a necessidade de ter de falar bem e a frustração por não ter conseguido;
- Aprendemos a buscar soluções para falar bem --> Devemos entender essas estratégias como parte da gagueira e que geram sofrimento;
- Aprendemos que nossa fala era gaguejante --> Devemos perceber que em diversas situações nossa fala é fluente;
- Aprendemos que a nossa auto-imagem é de alguém que fala de modo inadequado --> Devemos mudar essa auto-imagem, tendo em vista sermos bons falantes em diversas situações.

É claro que não é fácil modificar rituais para falar bem, tendo em vista eles estarem automatizados ao longo dos anos, mas somos capazes de qualquer coisa. Nosso cérebro é capaz de automatizar uma outra forma de funcionar de falar.

* "Atenção e consciência são os alicerces sobre os quais criamos um entendimento do mundo. Juntos formam a base sobre a qual construímos um sentimento do que somos e como nos definimos em relação à miríade de mundos físicos e sociais que habitamos. Também são as funções básicas que dão origem à 'mente' " (Ratey, 2002).


Os que desejarem a referência completa das obras aqui citadas, favor entrar em contato.

8 comentários:

Sanderson disse...

Oi Wladimir, fiquei bem contente com seu comentário de visitante 1000 no meu blog! Muito legal :)

Tiago Machine disse...

Olá, meu nome e Tiago. Sou novo na busca de melhoramento para gagueira e caí aqui e gostei muito. Pois minha noiva têm um pouco de gagueira q puxou do pai. Gostaria de saber se vc sabe aonde consigo baixar o livro "Gagueira: Origem e Tratamento" ou o livro "Terapia Global da Gagueira".
Desde já agradeço e parabéns pelo blog.
Att.
Tiago de Oliveira
mordekae@hotmail.com

Anônimo disse...

sou de MINAS, SOU GAGO bastante, desde desde o inicio e estou agora com 29 anos e preocupado com meu futuro. Vejo pessoas da minha idade ou ate mais novas do que eu fazendo coisas importante... e quero melhorar minha vida tambem. Estou de ferias do trabalho e aproveitando para pesquisar essa area. MEU INTERESSE É MELHORAR A QUALIDADE DA COMUNICAÇÃO E A DE MUITOS IRMÃOS QUE VIVEM ESSE DIFIULDADE...ESSE BLOG E AMIGOS AI, PODERA ME AJUDAR E MUITO...QUE PAZ ESTEJAM COM VCS. GOSTARIA DE PARABENIZAR AO AMIGO Wladimir Damasceno PELA BELA INICIATIVA.

TIMOTEO MG
MARCOS RICCELLE DE SOUZA

para quem dizer discutir:
riccelles@hotmail.com

Anônimo disse...

peço ao amigo tiago que de add para nos falarmos desse assunto

marcos


riccelles@hotmail.com

Anônimo disse...

opa, ;D

e aí wladimir,tudo bem?

eu estava na comunidade da "gagueira nao tem graça tem tratamento", e vc deixou seu blog.
então entrei. e gostei.
eu sou gago creio q desde q nasci, hsauhusu.

e gostaria d agora discutr, fazr algum grupo. ;D por isso peço seu msn. ;D
e se vc ja tivr outros contatos, que a gent possa fazr uma reuniao via internet. ;D agradeço ai em.

o meu msn é: diego_r1cc0@hotmail.com

abraços.

Anônimo disse...

Como vai wladimir, tudo bem? Sou delegado de polícia e professor universitário, e sou gago. Passo por diversas situações constrangedoras durante o dia, entrevistas com a imprensa , exposições das aulas na faculdade etc.. Mas tenho um conselho para todos que sofrem com a gagueira: não deixem de viver a vida por isso, façam tudo que for necessário, enfrentem o "telefone", palestras, concursos orais, não deixem passar a oportunidade. Penso que, somente treinando, isto é, falando, conseguiremos, ao menos, diminuir os bloqueios involuntários. PARABÉNS pela iniciativa.

Anônimo disse...

OI Wladimir!!!
Primeiramente quero te parabenizar pelo seu Blog e pela competência que trata de um assunto muito sério que é a gagueira.Gostaria de lhe indicar um vídeo que vi no You Tube para os vídeos desfluentes de seu Blog mostrando o desrespeito da mídia com os gagos.

http://www.youtube.com/watch?v=_ZOkaMzVBXI

Obrigada, abraços!!!

Anônimo disse...

ola! queria dizer que adorei o site e é muito importante saber um pouco mais sobre assuntos do nosso cotidiano, meu filho esta ficando gago e o lugar onde moro é de dificil acesso e gostaria de saber alguns exercicios para melhora-lo sem ter que ir ao um fono, e como baixar terapia global da gagueira
desde ja obrigada