31 agosto 2006

Mensagem ao Gago - Parte II de III

(Continuação)

Somente sendo você mesmo e permanecendo aberto à gagueira poderá dar um grande descanso à tensão que sente.

Existem dois princípios que você pode usar em seu benefício e que entenderá facilmente:

1. Sua gagueira não faz mal

2. Sua fluência não é nada boa para você. Não há motivo pelo qual você deva sentir pena pelo fato de ser gago; de modo igual, não há motivo pelo qual você deva se orgulhar quando fala fluentemente.

A maioria dos gagos retrocedem a cada bloqueio, pensam que tiveram um fracasso, uma falta. Por essa razão, para não gaguejar, esforçam-se muito e é por isso que gaguejam mais. Eles mesmos encerram-se em um círculo vicioso que pode ser desenhado do seguinte modo:


Gagueira → Ódio/Pena/Culpa → Susto/Evitação → Gagueira...

Gaguejar é uma experiência pouco freqüente. Possivelmente você não viu muitos gagos e evitou os que viu como uma praga. Assim como há pessoas que talvez o conheçam, o viram, ou somente o ouviram, há quem não saiba que você gagueja e que esconde a gagueira, como muitos outros que têm um problema similar ao seu. Por essa razão, poucos se dão conta que quase 1% da população gagueja e que somente nos Estados Unidos há quase um milhão de gagos.

Atualmente, muitas pessoas gaguejam mundo afora. Ao longo da história, sabe-se que muita gente famosa teve o mesmo problema, incluindo Moisés, Demóstenes, Charles Lamb, Charles Darwim e Carlos I da Inglaterra. Mais recentemente Jorge IV da Inglaterra, Marilyn Monroe e personalidades da TV em algum momento de suas vidas foram gagas.

Você não é o único em seu problema de linguagem e não está tão só como havia pensado.

Cada gago tem seu estilo individual, usualmente finge com truques e movimentos supérfluos que estão condicionados ao temor e se tornam automáticos. Todos sofrem basicamente do mesmo problema, procuram nomes diferentes para chamá-lo, dizem que “falam com pausas”, que é um “impedimento de linguagem” ou algo parecido.

A forma que você gagueja é muito importante; você não tem alternativa sobre quando gaguejar, mas pode eleger como gaguejar. Há muitos gagos que, como eu, aprenderam que é possível gaguejar mais facilmente e com muito pouco esforço ou tensão. A chave mais importante para aprender a fazê-lo está em fazê-lo abertamente; deixando sair cada vez mais o bloco de gelo que está abaixo da superfície, sendo você mesmo, não forçando nem brigando quando bloqueia, olhando calmamente nos olhos da pessoa que o ouve, nunca evitando as palavras escondendo-se de situações, tomando a iniciativa, mesmo que gagueje muito. Tudo isso é fundamental para qualquer recuperação da gagueira.

Você pode gaguejar a sua maneira, sem ter problemas e sem apresentar a gagueira com ódio, pena ou culpa toda vez que fala. Você sente medo de falar e evita fazê-lo; esse medo e essa evitação poderão ser manipulados e assim a gagueira diminuirá.

(Continua)

2 comentários:

Valdnei disse...

Muito bom este texto.
Tem um trecho que me chamou bastante atenção:
"Você pode gaguejar a sua maneira, sem ter problemas e sem apresentar a gagueira com ódio, pena ou culpa toda vez que fala"
Estou ancioso pra ler a terceira o parte.

Agradecimentos ao Wladimir

Nilson Bispo disse...

Olá,Wladimir!

A primeira vez que li esse texto, gostei muito dele.

Essa parte que trata da possibilidade de gaguejar com menos tensão e esforço é um ponto importante.
O trecho "...olhando calmamente nos olhos da pessoa que ouve.." é o que me marca mais.

Valeu